quarta-feira, 15 de outubro de 2008

O Mistério

Quase 40 anos passados desde o inicio da comissão, ainda não se conseguiu decifrar, o que fazia a bordo de uma fragata um Sargento carpinteiro.
Mas efectivamente o Sargento O (classe carpinteiro) Daniel Ferreira, fez a comissão englobado na nossa guarnição. E até tínhamos uma carpintaria a bordo.
Carpinteiro é uma das especialidades da Armada, para mim faria mais sentido, um carpinteiro estar colocado numa unidade naval em terra, ou a bordo de um veleiro da marinha.
Mas fazer parte da guarnição de uma fragata totalmente construída em ferro,não me faz sentido. O Sargento Daniel pelo que me apercebi na comissão, não era pessoa que se aproximasse de elementos com graduação inferior, Sargento era Sargento, limitava-se a fazer Sargento de Dia quando escalado,passar o dia na carpintaria de bordo, ou então fazer escolta a presos, como o caso do "Montijo" escoltado de Porto Amélia para Lourenço Marques.
Outra das dúvidas que mantenho, quem era o Oficial seu chefe de serviço,sabíamos que nenhum dos Oficiais a bordo,durante a sua permanência na Escola Naval teve aulas ou formação em carpinteiro.

5 comentários:

Crocodilo disse...

Eu fui Chefe de Serviço de Abastecimento em vários navios da Armada, e na Escola naval nunca tive aulas de culinária...

Crocodilo

António Moleiro disse...

Digamos Chefe de Serviço do Despenseiro,que por sua vez era responsável pelo pessoal que efectuava a culinária.

s.pinho disse...

O chefe de serviço do Carpinteiro tal como do Mestre deveria ser o Chefe dos Serviços Gerais, que não existindo, como era o caso, passava para a competência do Oficial Imediato.

s.pinho disse...

Só mais um pormenor.Se o Carpinteiro estivesse dado ao Serviço de Limitação de Avarias(LA), então o seu chefe seria o Chefe desse serviço, que no nosso navio acumulava com a chefia do Serviço de Máquinas.

António Moleiro disse...

Agradeço ao Sr. Almirante a informação prestada. Tantos anos,para em poucos minutos saber quem era o Chefe de Serviço do Carpinteiro. Também nunca perguntei,ou provavélmente nem teria de perguntar,um erro grasso da minha parte. Mas partindo do principio que nos blogues nada se apaga, temos é que aceitar as criticas advindas pelo que escrevemos. Aceitem então as minhas desculpas.